quarta-feira, abril 01, 2009

Dança da Espada

Origem, na visão da pesquisadora

Desde a Antigüidade os beduínos da Arábia Saudita trabalhavam com metais e eram peritos em fazer "espadas".

Como território de passagem da Rota comercial das caravanas entre o Oriente e o Oriente Médio eram nas paradas de descanso que se vendiam os artefatos.
Para demonstrar aos compradores interessados a excepcional qualidade de suas espadas e torná-las bem desejáveis, escolhiam suas filhas para mostrá-las. Elas se enfeitavam e desfilavam, bem como aproveitavam a oportunidade para exibir sua beleza demonstrando o quanto eram saudáveis e atraentes, vislumbrando um possível casamento.

Este costume desenvolveu a dança com a espada que é formada por dois momentos:
1 - Demonstração da espada
2 - Apresentação da filha que está pronta para iniciar sua vida "como mulher."
Também sabemos que as dançarinas egípcias, as Almées, altamente respeitadas e estimadas por todos, tinham como "privilégio", a permissão para dançar com a espada, objeto exclusivo dos homens, símbolo de sua força, coragem e virilidade.

As Almées dançavam com uma ou duas espadas, equilibrando-as em diferentes partes do corpo, mostrando uma dança poderosa e impressionante com significado simbólico.
Este aspecto da "espada" na dança revela um privilégio único que a dançarina Almée possuía: Usar um objeto do mundo masculino em sua dança.


SS Martinelli

O olhar de quem ensina

É impressionante a mudança na mulher quando ela começa a praticar a dança do ventre. De repente o corpo começar a se soltar, a mente começa a viajar, o espírito se religa ao centro da alma feminina....o olhar muda, o cabelo muda, as roupas mudam, os sentimentos mudam e como mudam....nossos pensamentos buscam o mistério. O véu que nos cobria se abre e a mulher que estava adormecida é despertada e trazida a luz!

0 comentários:

Postar um comentário

Seu comentário é bem-vindo!