março 16, 2010

Kom Ombo
Palavra de origem grega, Kom Ombo é derivado do termo egípcio Nubt que significa “cidade do ouro”. Bem ao lado do Nilo, uma cidade localizada na província de Assuã.

O Templo de Kom Ombo, ou as ruínas do templo ali erguido por Tutmes III, o mais importante dos quatro faraós de mesmo nome, que compuseram a 18ª Dinastia, documentam a devoção dos antigos egípcios por Hórus.



No tempo de Tutmes (ou Tutmóses) III, entre 1504 - 1450 a.C., o Egito estende seus domínios até a Palestina, a Fenícia e a Síria. O templo de Kom Ombo, encontra-se no lado leste do Nilo, próximo as vilas da nova Núbia, onde os núbios, após a construção da usina de Assuã, tiveram que ir morar.
A região é tipicamente núbia, com suas casas coloridas, com os campos de plantação de cana-de-açúcar e de pés de laranja.
 
 O grande templo tem ruínas impressionantes, foi abandonado pelos religiosos, foi destruído pelas águas do Nilo, parte do terraço, na parte da frente, houve erosão, foi abandonado pelos fiéis, e as ruínas foram soterradas em parte pela areia do deserto.

A construção bem peculiar, apresenta dois vãos de entrada e um duplo santuário, e entre eles uma parede separando as duas seções. Este templo é dedicado a dois deuses, a seção norte é dedicada ao deus falcão Hórus e a seção sul ao deus crocodilo Sobek ou Sobeque.


 Os dois deuses estão acompanhados por suas famílias: a esposa de Hórus, Tesentnefert (a deusa irmã) e seu filho Panebtawy (senhor das duas terras); Háthor companheira de Sobek e o filho Khonsu. As duas tríades combinam-se entre si numa complexa teologia.

“Símbolo da alma livre, o divino Falcão Hórus voa nas alturas, sobre tudo o que é material”. (Ptahhotep)

O resto do templo é relacionado a divindades do período ptolomaico. Na seção sul existem inscrições e desenhos com o tema do pai entrando no templo, seguido de espíritos trazendo os produtos da terra do Egito e a tríade de Sobek. Local também dos aposentos do rei. Fonte

Veja tudo isso de perto, descubra os segredos da humanidade. Excursão para o egito, tá esperando o que?  ;)

Nossas aulas têm como objetivo resgatar a ligação da mulher com as suas raízes ancestrais, temos como compromisso a excelência na formação de encantadoras de ritmos com uma nova abordagem da dança do ventre. Ela volta aos rituais femininos, ao culto dos antigos haréns, ao estudo das Deusas, ao auto-conhecimento, da criatividade, da vitalidade, da cura, do amor, da mulher, do verdadeiro sentido em dançar ao som de ritmos orientais

0 comentários:

Postar um comentário

Seu comentário é bem-vindo!

Ao dançar, nos reencontramos com tribos do nosso inconsciente adormecido...Uma mistura de conceitos, de ideias, de movimentos, geram a dança. Uma expressão cultural respeitada e admirada por todas nós. Uma viagem pelas tribos ancestrais da grande mãe, da natureza feminina... Descubra nossas aulas de Dança Tribal

Fale Conosco
Al Jawhara
peça no contato
São Paulo, Brasil